7 de jan de 2013

Em declínio, DEM fala em se desgarrar dos tucanos


Embalados pela vitória de ACM Neto para a Prefeitura de Salvador, líderes do DEM se reuniram no sábado, na capital baiana, para traçar planos e afastar o fantasma da fusão ou do fim do partido.

Eles decidiram se desgarrar do PSDB e ampliar o leque de alianças com PMDB, PDT e PSB, aliados do Planalto, para aumentar a participação no Congresso na disputa de 2014. É com base na bancada da Câmara que se definem o tempo na TV e o Fundo Partidário.

A meta é manter o DEM como "partido viável": recuperar o total de deputados que tinha antes do racha que gerou o PSD, articulado pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. Eram em torno de 40. Hoje são 27, insuficientes para pavimentar, por exemplo, o futuro de ACM Neto na política nacional.

A palavra "fusão", que ronda o noticiário, foi vetada na reunião, no apartamento do deputado e agora secretário de Transporte de Salvador, José Carlos Aleluia. Privilegiou-se "independência".


Apesar de boa parte dos presentes ter ligações estreitas com o senador Aécio Neves, provável candidato do PSDB à Presidência em 2014, eles acertaram "não correr o risco dos outros".

Na avaliação feita, o governo Dilma Rousseff tem cometido sucessivos erros e fecha um ciclo do PT no poder, que entra em declínio a partir de agora. Mesmo assim, Dilma continua forte na classe média, o ex-presidente Lula é imbatível nas classes D e E, e ambos são favoritos em 2014.

O DEM também vai ampliar suas ligações com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que tem se colocado como alternativa da base aliada caso a economia não sustente o PT em alta.

Ex-integrantes do DEM, agora no PSD, não veem com tanto otimismo as articulações dos antigos companheiros. Acham que as vitórias de ACM Neto e João Alves (Aracaju) dão "sobrevida" à sigla, mas não são capazes de alavancar o futuro do partido.

Participaram da reunião, além de ACM Neto, João Alves e Aleluia, o líder no Senado, Agripino Maia (RN), o ex-prefeito do Rio César Maia e seu filho, deputado Rodrigo Maia, o presidente do DEM-SP, Tadeu Mudalen, o secretário de Ação Social do governo Alckmin, Rodrigo Garcia, e os deputados Onix Lorenzoni (RS) e Mendonça Neto (PE).

Folha SP

0 comentários:

Postar um comentário

Faça seu comentário aqui.