16 de jul. de 2013

"Freira" convoca Marcha das Vadias em dia de vigília com papa no Rio

A próxima edição da Marcha das Vadias no Rio de Janeiro será realizada no dia 27 de julho, em Copacabana, na zona sul da cidade, mesmo dia em que o papa Francisco participará de três eventos da Jornada Mundial da Juventude, entre os quais a vigília com os jovens no Campus Fidei, em Guaratiba, na zona oeste, palco principal do evento.

O ato está sendo organizado pela ativista da AMB (Associação de Mulheres Brasileiras) Rogéria Peixinho, que costuma se vestir de freira na Marcha das Vadias, e que repetirá a fantasia no próximo protesto. Segundo ela, a chegada do pontífice à capital fluminense terá como "contraponto a livre manifestação de uma outra juventude", na rua, "protestando contra a opressão e o controle da vida e da sexualidade das mulheres".

"A presença do papa e os recursos públicos alocados para a visita de um líder espiritual colocam em xeque a laicidade do Estado. (...) Esse tema está dentro dos eixos da marcha, assim como o direito ao corpo, as denúncias sobre os casos de estupro que estão aumentando principalmente no Rio, e a formulação de políticas públicas de proteção às mulheres", disse ela.

"A gente já havia definido que a Marcha das Vadias aconteceria em julho. Com a Jornada, realizar o ato durante a visita do papa também é uma forma de colocar outra juventude na rua, estabelecendo um contraponto político. Queremos mostrar que há uma outra juventude e uma outra forma de pensar o mundo, e a data também tem a ver com isso", completou Rogéria, lembrando o fato de que, no dia 27, milhares de jovens estarão reunidos em vigília na JMJ.

A fantasia utilizada pela ativista em outras marchas já está preparada para a edição deste ano, segundo ela. "A roupa de freira, como eu já me vesti outras vezes, é um símbolo de questionamento sobre a posição da igreja contra o aborto. Muitas mulheres engravidam dentro dos conventos e, muitas vezes, são obrigadas a abortar. A gente já vem colocando esse tema nas marchas há algum tempo", explicou.

Rogéria revelou ainda que ela e as demais organizadoras da passeata estão preparando uma performance especial em alusão à presença do papa Francisco e aos dogmas defendidos pela Igreja Católica.

"A Marcha é sempre muito irreverente. Eu uso a roupa de freira há pelo menos três anos, mas, assim como eu, outras mulheres certamente usarão fantasias em alusão ao papa. Vamos questionar a violência sexual que também é sofrida pelas mulheres que são freiras", disse.

A concentração do ato vai ocorrer no posto cinco da praia de Copacabana, a partir das 14h. Por volta das 16h, os manifestantes seguirão pela avenida Atlântica em direção ao posto dois, na altura da rua Senador Dantas, e entrarão na rua Nossa Senhora de Copacabana. A caminhada segue até a esquina com a rua Ministro Viveiros de Castro, com término na rua Prado Júnior.

Rogéria afirmou ao UOL que a organização da Marcha das Vadias terá uma preocupação especial em relação às condições de segurança dos participantes, uma vez que os atos recentes pela capital fluminense têm terminado em confronto com a polícia.

No domingo (14), manifestantes foram repreendidos pela Tropa de Choque da Polícia Militar com bombas de efeito moral na frente do hotel Copacabana Palace, na avenida Atlântica, onde era realizada a festa do casamento de Beatriz Barata, neta do principal empresário do setor de transportes do Rio, Jacob Barata, conhecido como "Rei do Ônibus".

"Pensamos em adotar um esquema de segurança com máscaras antigás, por exemplo, e outros itens. Até hoje, todas as edições da Marcha foram pacíficas. Mas o papa vai estar na cidade e o ato tem esse traço de irreverência e de ousadia. Temos, sim, um receio em relação ao que a PM pode fazer. Mas também contamos com a presença da imprensa e da mídia para inibir casos de violência", disse. "Queremos, claro, evitar não só a a ação da polícia, mas também dos machistas de plantão", completou.

UOL

0 comentários:

Postar um comentário

Faça seu comentário aqui.