5 de mai de 2014

'Sertanejo que vota mal, vive mal'

O padre paraibano Djacy Brasileiro, que luta pela melhoria da qualidade de vida dos sertanejos que sofrem com os efeitos da seca e da falta de investimentos em recursos hídricos, vem usando as redes sociais para conscientizar sobre a importância do voto consciente e alerta: 'sertanejo que vota mal, vive mal'.

Com o mesmo clamor com que pediu para que o Brasil olhasse pelos nordestinos que passam dificuldades por conta da seca, o padre deixa recado aos políticos brasileiros e adverte "da nossa fome, sede, abandono, sofrimento, dor, exclusão, vocês, políticos, não queiram tirar proveito, feito urubus em cima de carniça".

Em mensagem que está circulando através do Facebook e do Twitter, padre Djacy fala em nome dos sertanejos e diz que o povo não quer ser tratado como boiada. Ele enfatiza o fim do voto de cabresto e reclama: "não devemos votar em políticos mentirosos, desonestos que não cumprem com suas promessas. Basta de enganação, de enrolação, mentira".

O pároco também pede para que os sertanejos não sejam tratados como ingênuos, idiotas ou eleitores de segunda categoria. "Sabemos que essa gente, de gravata e paletó, na sua maioria, visa tão somente o poder pelo poder, com suas eternas mordomias. Para tal intento, usam de todos os artifícios maldosos para manipular os eleitores menos conscientes. Povo manipulado, é povo escravizado; e povo escravizado, faz bem aos maus políticos", reitera.

Padre Djacy pede ao povo sertanejo para dar um basta à dependência, a humilhação e ao comodismo e que troque os verbos pedir, humilhar, pelos verbos exigir, cobrar, reivindicar e lutar. Ele pede que o povo continue lutando, pois aprendeu a fazer isso de forma democrática, pacífica e respeitosa, através de mobilizações.

Os políticos, de acordo com o pároco, não fazem nada por caridade ou porque são bonzinhos, sensíveis e caridosos, mas sim por obrigação. "Eles são eleitos para trabalhar e para isso são muito bem remunerados. Vamos fiscalizá-los", dispara.

Outro ponto reforçado pelo pároco em sua mensagem diz respeito a ações paliativas nas áreas castigadas pela seca. Na opinião dele, elas são usadas pelos políticos para queo o atraso, o sofrimento, a dependência, a seca, a fome, a sede e a miséira continuem porque são fábricas de voto. "É por isso que nunca buscaram soluções concretas para os reais problemas sertanejos. Só lhes interessam politicas paliativas. Estamos começando a entender o mistério".

O pároco pede ainda para que o sertanejo pense antes de votar e não se deixe levar pelos discursos emocionantes, recheados de belas e celestiais promessas, pela aparência física, pelo tradicionalismo familiar ou pelos brilhos festivos das campanhas.

Padre Djacy diz ainda que o voto é uma poderosa arma cidadã e diz que vender o voto por quaisquer coisas como feira, material de construção, passagens, óculos, roupas, remédios é um grave atentado à dignidade e à cidadania e uma contribuição ao agravamento da corrupção e da negligência política no País.

A mensagem de padre Djacy aos eleitores sertanejos traz frases de efeito como 'o poder não é meio de via, é serviço' e pede para que não se vote em candidato por uma questão de tradição e riqueza familiar, conscientizando para o fato de todo cidadão ser importante e ter o mesmo valor.

O pároco pede para que o eleitor atente para o comportamento ético-moral dos candidatos e fique atento para aqueles que se aproveitam do poder e visam somente dinheiro, status e mordomias para si, sua família e amigos.

Padre Djacy Brasileiro é pároco da igreja de Santa Cruz, no Sertão da Paraíba, a 445 quilômetros de João Pessoa, e ficou conhecido por sua luta em favor dos sertanejos que sofrem sem assistência durante a seca cíclica que atinge a região do semiárido brasileiro.

Portal Correio