26 de abr de 2015

Homem sem pênis diz ter levado mais de cem mulheres para a cama

O britânico Andrew Wardle, 40, que nasceu sem pênisUm britânico que nasceu com uma rara condição genética está finalmente se sentindo otimista em relação ao futuro.

Andrew Wardle, 40, nasceu sem pênis, e soube recentemente que poderá fazer uma cirurgia para lhe dar um pênis alternativo a partir do próprio braço.

Nem por isso, Andrew deixa de ser um paquerador irremediável. Ele afirmou ao canal TLC, em um documentário gravado durante 12 meses, que já levou mais de cem mulheres para a cama. E nem todas reagiram mal ao saber da notícia.

Uma ex‐namorada, no entanto, chegou a lhe dar um soco no olho após ser informada da condição.
"Acho que ela ficou brava por eu ter mentido. Mas não é o tipo de coisa que a gente pode contar assim de cara", justificou ele, que no entanto, agora resolveu "sair do armário".

"Não aguentava mais viver me escondendo. Resolvi mostrar quem eu sou", explica Andrew, que afirma já ter tido longos relacionamentos, inclusive um de quatro anos.

Nascido em Greater Manchester, na Inglaterra, em tem os dois testículos normais, mas nasceu sem o pênis.

"Minha primeira namorada era bem compreensiva. Namoramos por quatro anos e isso nunca foi um problema. Talvez fosse no futuro, se tivéssemos continuado juntos, mas tínhamos apenas 15 anos", lembra.



O documentário vai ao ar em junho, no TLC.

Folha de S. Paulo

Executiva mais bem paga dos EUA investe em biotecnologia e robôs, fundou uma religião e mudou de sexo

Mulher mais bem paga do mundo aposta em robô com consciência

Martine Rothblatt é a executiva mais bem paga dos EUA. Mas talvez isso não seja nem de longe o fato mais interessante de sua vida.
Ela fundou uma empresa de biotecnologia para salvar a filha doente, após revolucionar a indústria de comunicação via satélite. Também criou uma religião e um robô com consciência própria, além de mudar de sexo.

Martine nasceu Martin e hoje ela espera viver centenas de anos através de suas novas apostas tecnológicas: um estoque ilimitado de órgãos para transplante e clones da mente humana. "Há tantas coisas para fazer nesta vida. E se pudermos ter um clone digital [...] que nos ajude a processar livros, filmes, fazer compras, ser nossos melhores amigos?", disse Rothblatt, 60, no mês passado.

Ela foi uma das convidadas do TED (evento que reúne as principais novidades em tecnologia e design), entrevistada pelo anfitrião da casa, Chris Anderson. "Numa conversa normal, isso tudo soaria como maluquice. Mas, no contexto de sua vida, eu não apostaria contra", disse o curador.

Nos anos 1980, Rothblatt iniciou uma série de parcerias em lançamentos de satélites, ajudando a acabar com um monopólio de telecomunicações e criando o primeiro serviço de localização de carros, a GeoStar. Em 1990,

fundou um sistema de rádios para carros via satélite, a Sirius Radio. "Sempre amei tecnologia espacial. Satélites são meio como as canoas de nossos ancestrais. Eu acho excitante fazer parte dessa navegação dos oceanos dos céus", disse Rothblatt, neta de imigrantes judeus do Leste Europeu, cujo
pai era dentista, e a mãe, fonoaudióloga.

REVIRAVOLTA

Mas a vida deu uma reviravolta no fim dos anos 1990, quando Rothblatt passava por uma mudança de sexo, com o apoio da mulher, Bina, e a filha de cinco anos do casal era diagnosticada com hipertensão arterial pulmonar, uma doença incurável.

A executiva passou a estudar biologia do zero, até saber o suficiente para ter esperanças em achar uma cura. Ela passou a financiar pesquisas sobre a doença e fundou a United Therapeutics. Na época, soube de uma droga experimental que estava nas mãos do laboratório Glaxo Wellcome, que havia decidido não levá­la adiante.

"Eles bateram a porta na minha cara três vezes. Quando finalmente concordaram em vender, disseram que não tinham esperança nenhuma e que sentiam pela minha filha", disse Rothblatt, que comprou a droga, então só testada em ratos, por US$ 25 mil. "Recebi um saco plástico com um pó e o papel da patente. O mais incrível é que aquele pó sem valor hoje não só mantém vivas minha filha e outras
pessoas como também produz quase US$ 1,5 bilhão em receita."A United Therapeutics lhe rendeu US$ 38 milhões em 2013, segundo a"Forbes".

Mas, como a droga apenas retarda o progresso da doença, logo Rothblatt começou a pensar em novas soluções. Segundo ela, 3.000 pessoas morrem por ano nos EUA devido à hipertensão pulmonar, e para essa e outras doenças pulmonares a única solução é transplante de pulmão. "Assim como mantemos carros e edifícios funcionando para sempre [...] por que não podemos criar um estoque ilimitado de órgãos para transplante para que as pessoas vivam por tempo indeterminado?", disse a executiva, casada com Bina há 33 anos.

Em 2003, Rothblatt se juntou a Craig Venter, pioneiro do genoma humano, para criar porcos geneticamente modificados, numa fazenda, a fim de que seus pulmões e outros órgãos possam ser transplantados em humanos, num futuro bem próximo.

CRIANDO ROBÔS

Rothblatt tem planos também para replicar a mente humana, num experimento que ganhou forma de um robô que tem o rosto de Bina e todas as suas facetas, as suas memórias e os seus gostos. "Ela [o robô] é como uma criança de dois anos. Às vezes suas respostas são frustrantes, às vezes, surpreendentes", disse. Com ajuda de uma empresa de robótica, ela trabalha num sistema de "arquivo
mental", uma coleção de memórias, maneirismos, crenças, sentimentos e tudo mais que despejamos na internet, como buscas on­line e posts em redes sociais. "Uma vez que tivermos um software capaz de recapitular a consciência, seremos capazes, nas próximas décadas, de reviver a consciência humana, que estará no nosso 'arquivo mental'", acredita.

Foi pensando nas potenciais crises éticas de tantas transformações tecnológicas que ela começou a religião Terasem, uma mistura de judaísmo com entusiasmo tecnológico, que apoia pesquisas em campos como nanotecnologia e criogenia (estudo de organismos em temperaturas muito baixas).

Bina estava na plateia do TED e foi chamada ao palco por Anderson. "Tem sido uma jornada extraordinária", disse. "Queremos criogenizar nossos corpos e acordarmos juntas." Rothblatt abraçou a mulher e se declarou: "A perspectiva de clones da mente e corpos regenerados é para que nosso caso de amor dure para sempre".

FORMAÇÃO

Graduação em comunicação e direito na Universidade da Califórnia; doutora em ética médica na Universidade de Londres

EMPRESAS QUE CRIOU

United Therapeutics, SiriusXM Radio, WorldSpace, GeoStar

REMUNERAÇÃO

Em 2013, teve ganhos de US$ 38 milhões

Folha de S. Paulo

22 de abr de 2015

RECONHECIMENTO: Secretário da Junta Militar de Pedra Lavrada tem Reconhecimento da 23ª CSM


Sérgio Oliveira e seu filho Pedro Lucas
No último dia 08, a 23ª Circunscrição de Serviço Militar - 23ª CSM, representada pelo Maj Valdenir, esteve verificando os trabalhos desenvolvidos pela JSM 112 - Pedra Lavrada e pode constatar o nível de EXCELÊNCIA, do trabalho desenvolvido nesta Junta de Serviço Militar.

Por dever de justiça, louvor e excelência trabalho prestado pelo Secretário JOSE SÉRGIO BEZERRA OLIVERIA a frente da JSM 112 - PEDRA LAVRADA. Funcionário organizado, meticuloso e muito inteligente, mostrou desembaraço e conhecimento técnico profissional a cerca dos sistemas SERMIL e SASM. O servidor demonstrou ter atendido todas as solicitações do Maj Valdenir com presteza, retidão e segurança nas informações prestadas. Diz ainda, esta Delegacia o parabeniza pelo comprometimento com a função, competência, lealdade, responsabilidade e organização dos trabalhos desenvolvidos nesta junta. Fica o sentido de agradecimento dessa Delegacia ao excelente trabalho deste incansável funcionário. Concito a prosseguir trilhando esses valores para o bem dos munícipes de Pedra Lavrada.

Agradeceu também ao valoroso apoio do Sr. Prefeito Roberto José, a 5ª Delegacia do Serviço Militar, decisivo para execução dos objetivos, pelo compromisso e realização de um serviço de excelencia aos municipes de Pedra Lavrada PB.

ADELSON JOSÉ VALENTIM - 2º Ten
Delegado da 5ª Del SM/23 CSM

13 de abr de 2015

Decisão inédita coloca jovem que estudou em casa na faculdade

Lorena, 17, com os pais, Lilian e Ricardo Dias, e o irmão Guilherme: ela só se matriculou na faculdade após decisão judicial
Após quatro anos, Lorena Dias, 17, voltará a ter colegas de classe. De 2011 a 2014, ela estudou em casa, com os pais no lugar dos professores. Agora, acaba de se matricular na faculdade graças a uma vitória na Justiça. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, com sede em Brasília, concedeu liminar favorável à jovem para que ela obtenha o certificado de conclusão de ensino médio. O IFB (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia) e o Inep (instituto ligado ao MEC), que emitem o documento, ainda podem recorrer.


No final do ano passado, Lorena foi aprovada em jornalismo em Brasília, onde mora. Para ingressar no curso, prestou o Enem. Desde 2012 o Ministério da Educação permite que o desempenho na prova seja utilizado como certificado. Lorena tirou a pontuação necessária, mas foi impedida de obtê­lo por ser menor de idade, um dos requisitos. Foi então que ela entrou na Justiça. A jovem frequenta as aulas desde de março. Ela relata não ter problemas de sociabilidade por causa da educação domiciliar –uma crítica comum de especialistas a essa forma de ensino. "Fui eleita a representante da turma já na primeira semana", diz. Lorena saiu da escola porque, segundo ela, sofria bullying e os pais estavam preocupados com as greves e a presença de drogas no colégio em que estava matriculada, em Contagem (MG). Ao menos 2.000 famílias praticam ensino domiciliar, segundo a Aned. Ao contrário dos Estados Unidos, no Brasil a prática não é regulamentada. Assim, não há consenso sobre sua legalidade.  

Folha de São Paulo