12 de ago de 2015

Anderson Eliziário: Filho do ex-prefeito Tinan será candidato nas eleições de 2016



Já ouviram a expressão: “Antes tarde do que nunca?” Pois bem, ela pode ser a expressão que mais se encaixe nessa postagem de hoje. Gilbran Porto,PSDB, 36 anos, assessor jurídico em um escritório de advocacia, acaba de anuncia que será candidato ao cargo de Vereador pelo município de Pedra Lavrada em 2016.



Gilbran é o filho mais velho do ex-prefeito Tinan Porto (PSDB), que apesar de nunca ter chegado aos meus ouvidos qualquer menção ao seu nome sobre possíveis pretensões políticas, me confirmou que será um dos pretensos candidatos a uma das nove cadeiras da Casa Egídio Gomes Barreto.





Confira a entrevista que o mesmo me concedeu ao anunciar sua candidatura!

Anderson: Por que ingressar na vida política?

Gilbran: Tenho um espólio político a herdar. Desde pequeno convivo com a politica, avô Zé Mariano em Picuí e Pai em Pedra Lavrada. Cresci com a casa cheia e isso me fez gostar de servir ao próximo. Trabalhar com políticos como Efraim e Rômulo Gouvêia me gabaritou para ser um politico moderno, e isso é mais a vocação mesmo. Diante de uma crise econômica social, temos que crescer economicamente novamente e fiscalizando a atuação do poder executivo. Eu busco representar uma juventude que não se omite a formação de governos arcaicos. Lembrando que tenho uma ótima convivência com toda classe politica. Naturalmente como herdeiro do espólio politico de Tinan, nada mais justo que continuar trabalhando pelo homem do campo e a classe estudantil.

Anderson: Muito se falava ou até se propagava, que seu irmão Gilney, seria esse herdeiro politico do seu pai. Mas, não via ou sentia essa vontade partir dele. Você acredita ter ou ser essa veia politica na família que seu pai sempre precisou?

Gilbran: Sem dúvidas, o nome de Gilney é forte e de um grande talento. O mesmo já demonstrou interesse apenas em ser coadjuvante na politica, ele, recentemente, foi pai e está cuidando de sua carreira profissional em conjunto com a experiência de servir como líder dentro da nossa família, é um parceiro meu que posso contar.

Anderson: Os grupos políticos que temos em nosso município parecem que tendem a entrar em conflitos internos “para quem seria o candidato a disputar à majoritária”. No seu grupo, além do seu pai ter essa pretensão, existe outros nomes que também almejam essa oportunidade, como você enxerga essas movimentações dentro do grupo?

Gilbran: Democracia interna partidária nasce da vontade de cada um, acho salutar e normal, onde o nome que seja escolhido pelo partido, seja o que, no momento, represente a vontade do povo, ou seja, somente o melhor para a população. Até porque ele será representante e não um representado. O fato de estar no poder exerce uma força que chamo de coação partidária. Eles usam do poder para obrigar os seus aliados a realizar suas vontades particulares, esquecendo que cada um te o seu momento.

Anderson: Mesmo não morando em nosso município, qual sua avaliação sobre o Governo do Prefeito Roberto José Vasconcelos Cordeiro?

Gilbran: Um governo de elite, sem criatividade e que nada fez. Até o momento não tenho conhecimento de nenhuma obra nem benefício para a sociedade.

Anderson: Acha que seu pai errou quando escolheu o ex-prefeito Tota, ao invés de Roberto? Acredita que Roberto teria feito o que algumas pessoas chamam de traição, se referindo ao que aconteceu entre Tota e seu pai?

Gilbran: Tota apenas não soube valorizar as raízes e reconhecer que a união deveria prevalecer e honrar com seus compromissos. Eu mesmo fui um dos que internamente briguei por ele, o mesmo me ligou várias vezes me pedindo apoio, temos laços de sangue, e além de tudo a palavra de um homem é tudo, portanto a consciência é o nosso maior tribunal.

Roberto morou na minha casa enquanto estudava, é um irmão mais velho, praticamente ajudou muito como amigo mais experiente. Hoje, acredito que nessa crise financeira, ele não vai mais cumprir com as promessas de campanha, ele teve a sua oportunidade. Tota por sua vez, não cumpre nada que fala. Foi uma grande decepção.

Anderson: A decisão de ser candidato é sua, ou é um pedido do seu pai para que você dispute as eleições? Se for sua, o que ele pensa sobre isso?

Gilbran: Decisão particular minha e já comunicada a ele. Repito: a vontade de trabalhar por minha terra é a minha aliada.

Lá vem Anderson!

A eleição que se aproxima, aos poucos, começa a se desenhar. Se você observar, se Tinan falasse que hoje não seria candidato a nada. Pronto. Quem iria representa-lo? Ele ficaria eternizado na memória dos lavradenses, assim como ficou Manoel Júlio, que até hoje, ainda não tem um representante do seu nome nem no legislativo nem no executivo.

Fiquei surpreso com o anuncio da candidatura de Gilbran. Como falei anteriormente, nunca ouvi alguma menção ao seu nome sobre qualquer pretensão política. Sempre ouvia que: “Gilney, vem ai!” Só que Gilney, nunca veio! E quando veio, não senti alguém que, de fato, queria está ali. Gilbran parece vir reclamar essa herança política do seu pai, que ainda luta para se manter vivo na Política lavradense. Afinal, Tinan não é o único candidato da oposição a querer disputar a cadeira de Prefeito. Jarbas Melo e Cirilo Neto, também tem essa pretensão, assim como Jojó Melo.

Senhoras e senhores, não irei falar que iremos ter três candidatos a Prefeito na eleição de 2016. Mas, O Vereador Jarbas, está fazendo compromissos que ele não vai ter como voltar a trás se quiser se manter na vida política. Não é segredo que Jarbas já conseguiu diversos nomes para disputar o cargo de vereador. Mas, qual o argumento que ele está usando para conquistar esses novos candidatos? Jarbas foi o 2º Vereador mais bem votado na última eleição, “Alô Vereador Tota!”, acredito que os seus aliados têm consciência disso. E sou capaz de apostar que deve ter passado em seus pensamentos: “Bem, se Jarbas for candidato a prefeito posso ficar mais “tranquilo” e ser candidato a vereador”.
Jarbas está ficando sem espaço em sua região, que foi a que o elegeu, ao contrário do seu primo Jojó Melo que graças à zona urbana, obteve sua vitória.

- Você quer saber sobre Rigoberto no meio disso tudo? Sou sincero. Não entendo até hoje o porquê de Rigoberto nunca ter pensado em sair candidato a vereador. – Esperem! Alguns intelectuais da nossa política falam: “ kkkk Rigoberto, não tem voto!” - A pior bobagem essa superstição! Rigoberto pode não ter força politica para conseguir se lançar Prefeito ou ser Prefeito. Mas, vereador? Acredito que ele tem força para isso, sim.

Uma coisa eu aprendi navegando entre a classe política do nosso município: Nunca subestime ninguém. NINGUÉM!

Já ia me esquecendo!

- Anderson, ele tem que ficar esperto com ele! 
- Por quê?
- Ele é um dos que mais detona pelas costas!