29 de nov de 2015

Brasil destina menos recursos para pagar professores do que países da OCDE

No Brasil, o percentual destinado a gastos com remuneração de pessoal é abaixo da média, segundo o relatório Education at a Glance 2015: Panorama da Educação, lançado hoje (24) mundialmente. De acordo com a publicação, para os anos iniciais do ensino fundamental, cerca de 73% das despesas correntes são destinadas à remuneração de pessoal. A porcentagem está abaixo da média dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que é 79%. O texto diz ainda que um padrão semelhante se repete nos anos finais do ensino fundamental e no ensino médio.
"Embora não haja uma relação direta, esses valores podem refletir o nível dos salários dos professores dessas etapas de educação no Brasil. Salários iniciais para professores com qualificação mínima são os mesmos para cada nível desde a pré-escola até o ensino médio e estão entre os mais baixos para todos os países e parceiros da OCDE com dados disponíveis", informa o texto.
O Education at a Glance 2015: Panorama da Educação é a principal fonte de informações comparáveis sobre a educação no mundo. A publicação oferece dados sobre a estrutura, o financiamento e o desempenho de sistemas educacionais de 46 países: 34 países-membros da OCDE, alguns países parceiros e do Grupo dos 20 (G20).
De acordo com o relatório, a média de salário inicial para professores da pré-escola entre os países da OCDE é mais do que o dobro do que os professores ganham no Brasil e a diferença cresce nos níveis mais elevados de educação. Os salários iniciais dos professores no Brasil também são menores do que em outros países latino-americanos – como Chile, Colômbia e México – para todos os níveis educacionais, desde a pré-escola até o ensino médio.
No Brasil, o salário dos professores segue a Lei do Piso (Lei 11.738/2008), que estabelece o valor mínimo a ser pago aos professores com formação de nível médio, com jornada de 40 horas semanais. O reajuste é feito anualmente e está em R$ 1.917,78.
Investimento
O relatório da OCDE aponta ainda que o gasto público em educação tem aumentado no Brasil, e a parcela dedicada à educação no gasto público brasileiro é maior do que quase todos os países e parceiros da OCDE. Em 2012, o Brasil investiu o equivalente a 5,6% do Produto Interno Bruto (PIB) da educação básica à superior. Proporção superior à média da OCDE de 4,7%. É ainda a quinta mais alta entre todos os países e parceiros da OCDE com dados disponíveis.
Quando analisado, no entanto, o gasto anual por aluno, o valor, de US$ 3.441, investido no Brasil é inferior à média dos demais países, que é de US$ 5.876. Apesar de outros países superarem o valor pago pelo Brasil, o relatório aponta queda em vários países da OCDE no investimento em educação de 2010 a 2012 devido à crise econômica de 2008. "Nos anos seguintes à crise, mesmo que alguns países já tivessem iniciado uma lenta recuperação, os salários dos professores foram congelados ou cortados", informa.
De acordo com o Plano Nacional de Educação (PNE), sancionado no ano passado, o Brasil terá que investir pelo menos 10% do PIB em educação até 2024. Dados mais recentes do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), de 2013, mostram que o país investe 6,2% do PIB no setor.
A OCDE é uma organização internacional formada, na maioria, por economias com elevados PIB per capita e Índice de Desenvolvimento Humano e são considerados países desenvolvidos. Os representantes trocam informações e alinham políticas, com o objetivo de potencializar o crescimento econômico e colaborar com o desenvolvimento de todos os demais países-membros.

http://www.cnte.org.br/

27 de nov de 2015

Casa na Alemanha provoca polêmica por lembrar duas pessoas fazendo sexo

Um projeto arquitetônico tem chamado a atenção na internet por suas formas 'pouco convencionais'. A casa chamada "The Domestikator" tem gerado comparações por suas formas, que lembram duas pessoas fazendo sexo.

O projeto do estúdio alemão Atelier Van Lieshout foi revelado no festival Ruhrtiennale, festival anual de artes que acontece no país germânico.


http://www.redetv.uol.com.br/

Justiça condenou ex-prefeito bado a 2 anos de prisão

O ex-prefeito de Cuité Osvaldo Venâncio foi condenado a pena de dois anos e seis meses de reclusão por fraude em licitação.

A sanção foi convertida no pagamento de multa de R$ 15 mil e prestação de serviços à comunidade. Na sentença, o juiz Gustavo de Paiva Gadelha, da 6ª Vara da Justiça Federal, decretou também a perda do cargo público ocupado, atualmente, pelo acusado, de secretário municipal de Cuité, bem como a sua inabilitação, pelo prazo de cinco anos, para o exercício de cargo ou função pública, eletivo ou de nomeação. Cabe recurso da decisão.

Osvaldo Venâncio é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de irregularidades no convênio nº 365/2001 firmado com o Ministério da Integração Nacional, com o objetivo de reconstrução de 22 casas populares. Em 3 de abril de 2002 foi deflagrado o procedimento licitatório, sob a modalidade convite, no qual se sagrou vencedora a Construtora Esplanada Ltda.

A empresa vencedora, bem como outra licitante, a Construtora Concreto Ltda., existiam apenas formalmente, sendo preordenadamente constituídas no intuito único e exclusivo de frustrar o processo licitatório, conforme teria ficado comprovado nos autos da Ação Penal nº 0002068-40.2004.4.05.8201. Referidas empresas falsas seriam controladas por Marcos Tadeu Silva, que, em conluio com o presidente da comissão de licitação, Marcos Antônio de Santos Souza, teriam viabilizado a participação formal dessas pessoas jurídicas, no intuito deliberado de manipular o resultado do certame.

Segundo o Ministério Público Federal, no período de 26.04.2002 a 10.07.2002, o ex-prefeito Osvaldo Venâncio liberou integralmente os recursos em favor da Construtora Esplanada Ltda., “sem que houvesse qualquer comprovante de realização das obras”. Todos os cheques depositados em favor da empresa falsa foram sacados, e, além disso, 15 mil reais dos recursos foram utilizados para o pagamento de uma dívida pessoal de Osvaldo Venâncio.

“O gestor municipal, Osvaldo Venâncio dos Santos Filho, em esforço administrativo com sua equipe, notadamente o Presidente da Comissão de Licitação Marcos Antônio Santos de Souza, poderia e deveria encetar todos os meios administrativos cabíveis para impedir a formalização de um contrato com empresas manipuladas por um único titular, no caso, Marcos Tadeu Silva”, afirmou o juiz Gustavo de Paiva Leite.

Ele destacou ainda que “a culpabilidade do réu revela-se mais intensa, pois, na condição de gestor público, caberia-lhe envidar esforços no sentido evitar a homologação do certame e permitir a adjudicação do objeto em favor de empresas manipuladas por Marcos Tadeu Silva. Ademais, na condição de Chefe do Poder Executivo, valeu-se dos recursos públicos para o pagamento de dívidas pessoais, o que aumenta o grau de reprovabilidade social”.

Jornal da Paraíba

Pedra Lavrada é destaque na 11ª Olimpíada Brasileira de Matemática

Pedra Lavrada (PB): Foi divulgado hoje o resultado da 11a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP-2015).


Mais uma vez as escolas municipais de Pedra Lavrada obtiveram resultados muito importantes. Ao todo foram conquistadas três medalhas de bronze por alunos da rede municipal de ensino. De longe, é a melhor colocação entre as cidades das regiões do Seridó e Curimataú da Paraíba. Vejam:

Pedra Lavrada – 3
Picuí – 1
Cuité - 1
São Vicente do Seridó – 1
Várzea – 1

A OBMEP inclui escolas federais, estaduais e municipais de todo do Brasil. O evento tem por finalidade promover o saber matemático e descobrir talentos nas escolas públicas para em seguida prover bolsas de estudos em instituições como a Universidade Federal da Paraíba.

Para saber mais sobre a OBMEP, clique aqui e conheça o site.

Duas escolas de Pedra Lavrada tiveram alunos relacionados para a premiação.

A Escola Municipal Santa Ana de Albuquerque (Sítio Cumarú) e a Escola Municipal Maria Elenita de Vasconcelos Carvalho (Sede).

Alunos que foram contemplados com medalha de bronze:

ALBERTH MICKELSON ALVES (EMEF Maria Elenita de Vasconcelos Carvalho)
THALYS WILKER ALCANTARA SILVA (EMEF Maria Elinita de Vasconcelos Carvalho
THALLYS RAMOM OLIVEIRA PEREIRA (EMEF Santa Ana de Albuquerque)

Assim como os medalhistas, cinco alunos receberam a menção honrosa, são eles: BARBARA REGINA LIMA NEVES, EDUARDA MACEDO DANTAS, HUGO DA SILVA LIMA, JAILANY MACEDO COSTA e RAFAEL SANTOS DOS ANJOS. Todos da EMEF Maria Elenita de Vasconcelos Carvalho.

O aluno Alberth Mickelson ficou com a 12ª posição em todo Estado da Paraíba entre os alunos do Nível 2. Já o estudante Thallys Ramos ficou entre os 17 melhores na sua categoria e, Thalys Wilkem, em 30° lugar.

A Escola Maria Elenita também está entre as premiadas e receberá um kit esportivo e também, é a única da região que teve dois professores de matemática premiados. São eles: Wagner Tavares Vasconcelos e Daniel Carvalho Santos. Esses professores receberão um diploma e um CD com as edições da Revista do Professor de Matemática (RPM-SBM).

A Educação de Pedra Lavrada conquista mais um grande feito graças, fundamentalmente, aos profissionais que sempre buscam oferecer o melhor de si, independentemente das adversidades encontradas.

Parabéns aos alunos e alunas, professores e escolas contemplados.

Roberto Solon de Vasconcelos

22 de nov de 2015

Com que roupa eu vou?

Roberto Solon de Vasconcelos
AVISO! Este texto tem 1.225 palavras e se você o acha longo, pare por aqui e volte ao facebook para clicar em curtir e/ou compartilhar.

Com que roupa eu vou?

- Que tempos difíceis vivemos.

Enquanto o colapso total no abastecimento de água da cidade de Pedra Lavrada parece ser uma questão de dias ou meses, uma cena que parecia ter ficado na história e na memória dos que tem mais de 30 anos voltou a ser vista: a cidade sendo abastecida por carros pipas e as pessoas a usarem latas e baldes para transportar um mínimo do precioso líquido aos seus lares.

A estiagem que ora vivenciamos é a mais chocante que tive oportunidade de vivenciar. Em meus 43 anos de vida não tinha visto algo tão devastador.

Ao se caminhar por entre a vegetação de nossa região percebe-se claramente que, apesar de serem adaptadas para o nosso tão rigoroso clima, a morte de árvores como os marmeleiros, juremas, catingueiras entre outras, é certa para maioria de nossa tenra fauna. E, mesmo as que poderia sobreviver até a próxima chuva, são retiradas pelos homens do campo na tentativa – por vezes, vã - de salvar suas vacas, ovelhas, cabras...

A situação é desesperadora!

Como se tudo isso não fosse o suficiente para inquietar e angustiar, é fácil observar que o mundo onde não há seca e tudo parece perfeito, a zuckerberlândia – também conhecido como feicibuque -, tem sido utilizado massivamente para se cultivar, destilar, embalar, transportar, vender e doar ódio, intolerância, ignorância, estupidez e a pura e simples maldade.

Momentos e situações difíceis ou desconfortáveis para humanidade também são fortes catalizadores para convergência e união – união de desiguais. É de fácil entendimento, principalmente ao homem do campo que, nas horas mais quentes do dia, todo o gado se reúne debaixo de uma árvore com sombra abundante. Então, por que não conseguimos mais convergir para um mesmo ponto de conforto e, ao estarmos próximos e “desarmados”, tentarmos construir acordos, pontes, conhecer um pouco o outro, tentar entender ou compreender suas posições e sentimentos? Uma sociedade exitosa é construída não impondo sua verdade sobre as demais. É construindo, sobre um ponto comum, um contrato de convivência onde, minimamente, uns devem tolerar os outros.

Estamos à beira da ESCASSEZ de água e muitas pessoas ficam a se preocupar e gastam uma energia gigantesca com quem outras pessoas ‘dormem’, as preferências sexuais, com quem votou ou deixou de votar nas últimas eleições... Ficam a bajular um deputado que fala abertamente e com naturalidade sobre a eficiência do estupro como punição às mulheres. Muitos tolos e tolas, que parecem ter feito um curso de pragmatismo político e histórico em imagens copiadas ou compartilhadas na zuckerberlândia usam, por vezes, essas mesmas imagens por terem dificuldade em escrever uma frase autoral.

Há também os déspotas esclarecidos. Aqueles que tiveram formação acadêmica até nível superior e que, supostamente, teriam frequentado uma faculdade ou UNIVERSIDADE para ser exposto a parte importante do conhecimento produzido pela humanidade e consequentemente aprender, mudar e construir mais conhecimento. Tendo por base os exemplos históricos para assim não repetir erros... É chocante ver que pessoas mais esclarecidas, que supostamente, tiverem uma visão universal do pensamento humano, se reduzirem ao pensamento do ou é preto ou é branco. Pessoas que supostamente são as responsáveis por darem continuidade a evolução do pensamento humano optaram –ou regrediram, ao meu ver- à logica binária dos computadores: ou 0 ou 1, ou ligado ou desligado. Reduzindo assim, o tão complexo cérebro humano a dois ‘neurônios’: tico-e-teco.

Tem pessoas que na valentia do conforto do seu teclado, entre paredes escondidas de suas casas, proliferam o mal sem se dar conta que o caminho que estamos a tomar poderá ser de mão única: sem acostamento e sem volta.

Minha cidade está estranha, meu país está estranho, o mundo está estranho.

É doloroso ver que caminhamos para uma guerra total e tem gente que dedica seu tempo a discutir a sexualidade DOS OUTROS.

É amargo perceber que o Brasil mergulhou em uma crise política onde só existe PT e anti-PT.

É cáustico entender que o PT fez sim o que não deveria e não poderia ter feito. Negar isso é uma blasfêmia à inteligência e aos fatos históricos. Assim como, negar sua importância no desenvolvimento do Nordeste.

Mas esta falta de compreensão e intolerância que hoje está impregnada na sociedade brasileira é o que nos impede de resolver coisas importantes: de onde virá água para nos abastecer? E os agricultores vão viver do que? E o minério que não pode ser mais explorado por nossos garimpeiros?

Enquanto ficarmos só na base do tico-e-teco não resolveremos nossos problemas. Temos que sair um pouco das redes sociais e voltar para o mundo real e resolvermos nossos problemas. Sei que a tendência que temos para a estupidez é apontar o dedo para alguém e dizer: a culpa é dele. Mesmo que não façamos nada.

Então, o que temos?

A história nos diz que a humanidade tem duas formas de resolver problemas sérios: a política ou a guerra. Por vezes as duas se confundem.

-Eu não vou à guerra! -Prefiro a política!

E, entre os sistemas políticos, prefiro o que os gregos conceberam: a democracia.

Antes de começar a negligenciar a zuckerberlândia andei a ver amigos(virtuais), colegas(virtuais), parentes, chegados... E para meu assombro vi JOVENS exigirem a instalação de um regime militar ditatorial no Brasil. Fico a pensar se os professores de história deram aulas sobre esses assuntos na escola. São tão estúpidos que não conseguem perceber que a primeira coisa que aconteceria se uma ditadura fosse implantada, seria a proibição da informação livre. Ou seja, ele não poderia dizer o que pensa. E, se conseguisse, seria severamente punido.

Fico a imaginar uma seca dessas que vivemos se fosse no tempo ditatorial. Ao invés de pessoas procurarem xique-xique, cardeiro, coroa-de-frade e outros cactos para os animais, essa busca seria para as pessoas escaparem da fome, para elas mesmas comerem. - O QUE DE FATO ACONTECIA EM NOSSA REGIÃO!

Mas, como falei anteriormente, a minha opção é pela política e não pela guerra total.

Agora, em quem votar? Quem seriam essas pessoas que deixariam o interesse particular de lado e estariam dispostas a fazer o bem comum e respeitar os ‘diferentes’ que procurarem a sombra, assim como faz o gado.

Tomemos, como molde, os políticos de nossa região – Seridó e Curimataú. Se observamos os dados dos gestores da década de 1990 até hoje e, que faça chuva ou faça sol, estão sempre a tentarem se manterem no poder. Percebemos facilmente que, ao invés de currículo de bons serviços prestados, as informações nos apontam para FICHAS CORRIDAS de tantos crimes e mau uso de verbas públicas.

Temos hoje uma safra de políticos medíocres, sem expressão, sem esteio moral. Dizem alguns que o problema é a crise. – Que crise? Vocês viram algum parente de prefeito, deputado, senador, governador ou presidente ser demitido por causa da crise?

Próximo ano tem eleições e, apesar de acreditar que na política está a melhor opção para resolvermos nossos conflitos, nutro uma desesperança profunda ao observar as opções que ora se apresentam.

Estou pronto para ir à festa da democracia, todavia, ainda não tenho a menor ideia com que roupa vou.

Roberto Solon de Vasconcelos
Professor

P.s. A expressão neologística “zuckerberlândia”(terra de Zuckerberg) refere-se ao criador do Facebook, Mark Zuckerberg.